Van der Vous e a introspecção afundada em psicodelia

Estava eu, em meados de 2014, numa das minhas madrugadas passeando pelo feed do meu Facebook quando de repente me bati com um post do Luca Bori (Vivendo do Ócio), comentando sobre a psicodélica Van der Vous. No mesmo instante fui escutar o som daquela banda, e terminei entrando em outra dimensão, motivos são o que não faltam.

Gosto de observar o nome das bandas, e desta vez não foi diferente, ainda mais percebendo uma mistura de idiomas. E como uma boa adoradora de idiomas, logo enxerguei a ideia que se queria transmitir a partir dali, confirmando logo em seguida na pesquisa sobre eles. Van der Vous é uma junção do holandês “Van der” (“vem de”), e do francês “Vous” (“você”), o som deles é algo vindo de você, da sua alma.

Formada em 2012, uma das melhores bandas já vistas de Salvador por mim, possui influências dos Beatles, The Doors, Tame Impala, Mac DeMarco; e segue com um disco lançado em 2014, acompanhado por um conceito que muito aprecio, o esplêndido “La Fuga“, contando com faixas lisérgicas como “Mind Changes“, “I Get High“, e a tão esperada por alguns durante os shows “Cirque de Julia”.

A faixa título do álbum, “La Fuga“, é minha terceira favorita; o solo me faz perder a noção de espaço, não sabendo ficar parada e sair dançando sem medo de ser feliz; é uma fuga de si mesmo, é uma verdadeira fuga da realidade que nos é imposta. “Somehow” é minha segunda favorita, porém não foi sempre assim; antes, não sentia a magia dela, principalmente no seu ponto alto: “Now is time to learn, and follow all your dreams; don’t waste your time with things that means nothing “.

Back to Reality” foi amor à primeira vista. Mas, como não? A pegada totalmente dançante, e letra que me identifico intensamente fazem a última viagem transcendental do álbum ser perfeita aos meus olhos. Infelizmente, precisamos voltar a realidade, como o próprio título já diz, a não ser que você aperte o replay tentando alongar mais um pouco a sua fuga. Afinal, você pode fazer qualquer coisa que queira sentir, como está escrito no finalzinho da música, e ela significa tanto, que só ainda não fiz uma tatuagem por não saber ao certo a parte preferida.

Da esquerda para a direita: Vitor Matos (vocalista e guitarrista) , eu e Nal Gomes (baixista):

13501655_847344115370447_4183420522531605497_n

(Foto por Israel Sanches)

Página no Facebook: https://www.facebook.com/vandervous/?fref=ts

 

Atualização do post:

Pois é, o tempo se passou. Vitor viajou para a Argentina, e o que restou-me foi a saudade dos shows da Van der Vous. No entanto, a banda permanece firme em mim. Antes mesmo do vocalista ter seguido viagem, eu já havia finalmente decidido como seria a tatuagem em homenagem a uma das bandas baianas que mais foram importantes na minha vida.

99eca720-7ece-4c8f-88c4-952562424651

Verso de “I Get High”. Tatuagem feita por Yan Camardelli.

 

Anúncios

4 comentários sobre “Van der Vous e a introspecção afundada em psicodelia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s